8.11.11

Matryoshka: a Aranha Solitária (dos Diários de Moscou)

“A aranha solitária. Alina Shostakovich.” – Disse Boris Berezovsky pausadamente, imerso em seu colorido casaco sintético assim que Alina voltou ao camarim do Rachmaninov Hall. – “Sempre quis entender porque você levava esse apelido” – Riu o cafetão, tão bêbado que se sentia uma miniatura de si mesmo habitando aquele corpo gigantesco e pesado; tão bêbado que desafiava a neurociência ao pronunciar “Shostakovich”; mas aparentava-se inofensivo, pois é bem assim que um homem fica ao tornar-se do tamanho de sua consciência.

“Os turistas ainda procuram ‘a grotesca stripper violinista’. Mas nada. Nada. ‘A aranha solitária não trabalha mais aqui?’. ‘Não. Nós estamos falidos. Já ouviu a teoria de que, para os russos, tudo acontece ao contrário? Então, nós conseguimos falir prostíbulos em Moscou, apesar de exportarmos lucrativas Natashas para a Europa toda. Aquela ingrata da Alina nos abandonou. Ekaterina, a tocadora de tuba, está morta. E Svetlana, a única que ainda conseguimos manter, não sabe tocar nem ‘Ochi Chornye’ porque é mentalmente retardada, mas sabe quebrar nozes com a genitália como ninguém. Não temos mais prostitutas musicistas, Mr., sei lá, Sullivan’.” – A violinista, impassível às palavras de Boris, lia atentamente o cartão de congratulações que havia recebido dentro de um ostensivo buquê de rosas, tendo estampado um sorriso tão gordo em uma boca tão diminuta .

“Quando você, com aqueles movimentos lúbricos, perpassava a ponta lascada do arco entre as coxas, os poetas deliravam. Uma pausa agonizante e um espasmo em todo corpo e, depois, tocava ensandecida. Ah, se esses engomados corruptos que, enfadados, te aplaudem hoje soubessem onde já esteve esse cavalete. Tanta imaginação. Tanto divertimento você levava àqueles pobres ratos. O que mais quer um milionário solitário, cheio de lirismo cafona, que uma beldade que toque Paganini nua e de pernas arreganhadas? Ai veio aquele crítico da Diapason que era alucinado por tenores cegos, japonesinhas de seis anos que destroem pianos e violinistas de sexualidade exacerbada com o puto do Aleksei, o Vor que fiz correr para Londres depois que revelei o esquema dele de pedofilia na internet e te colocaram dentro de um teatro, fizeram você gravar um disco e tudo mais, só para me foder. Aliás, aquele seu Brahms soou muito antipático, digo, muito russo.” -  O velho da mais um gole de Stolichnaya – “É notório como tudo e todos que você toca viram algo russo. Excessivamente russo. Diga-me: quantos mitos cabem nessa tua alma, pequena Moscou? Lembra daquele inglês, Mr. Chamberlain? Se apaixonou por você e, desde então, tornou-se um alcoólatra cheio de auto-piedade e impregnado de tatuagens que imitam as dos prisioneiros da Sibéria. E a francesa que mudou até  o nome para Bogdana? Se soubesse que descola-se de tua coluna uma cauda de loucura e destruição, talvez tivesse mais cuidado ao andar serpenteando por ai. E não ostentaria o apelido de aranha, e sim de escorpião. Mas, filha, eu também sou um Vor. Você deveria me respeitar, porque, se não fosse eu, a aranha solitária estaria tocando na estação Baumanskaya até hoje. Se lembra?” -  Boris se levanta e tira do bolso do casaco um garrote. – “Senti o som do violino se aproximando de mim, roçando meus ouvidos e, daquele ré, foi brotando baixinho feito a água que verte de uma minúscula mina, algo cigano, místico, uma daquelas canções que recendem a fogueira e palha. Um centímetro foi a distância que você deixou entre minha nuca e a ponta do instrumento, dura e precisa como um falo titânico. Apenas o sopro do vento agitado pelos movimentos alucinantes do arco tocava meu corpo, parecia perfurar as raízes de meus cabelos. E, como diria aquele poeta obscuro que você tanto gosta de ler: ‘Lá começou o amor. Como um soco no estômago.’ Mas não me assustei, não, pois conheço muito bem essa pirotecnia. Lentamente, fui me virando, cuidando para não esbarrar no seu violino, e, então me deparei com sua face, mal sabia que aqueles olhos  eram os da última Matryoshka da prole. Foram famosas suas ancestrais, viu? Seus cadáveres foram fotografados pelo Pravda e pelo Iskra. Traidoras do regime. Avó, mãe: violinistas. E putas.”

“É tudo culpa da música, velho, palavra que, não em vão, significa a arte das musas” – Respondeu, insolente. -“Foi aquele veado que te ensinou a falar bonito assim, cretina? Por que você nunca se parece com você? Por que sempre que fala, ouço a voz de uma velha atriz de teatro?”  – Retrucou, enlaçando o garrote no pescoço da musicista e apertando seu rosto a ponto de fazer evidente o paradoxo de suas peles que tanto carregam os pecados de cada um.     

Desvencilhando-se atabalhoadamente daquele gesto, Alina joga o cartão amassado de congratulações em cima do divã e senta-se, malemolentemente, sobre a cômoda vitoriana, espalhando os estojos de maquiagem, fazendo cair um frasco de perfume cujo aroma floral logo se alastrou pelo carpete vermelho. Recostou a cabeça no espelho por onde, além da neve que esvoaçava pelo céu como que soprada por anjos, fazendo brancas até mesmo as mais profundas sombras da noite, Boris poderia ver sua própria face patética, caso não estivesse olhando, agora, fixamente para os dedos dela que, com uma agilidade anormal, desabotoava, desde o pescoço, a camisa sóbria com golas pontudas, exibindo, pouco a pouco, um pequeno hiato agudo e brilhoso naquilo tudo que não era corpo, depois outro e, mediando-os, uma imagem de Santa Nina. Berezovsky tentou apalpá-los, mas o arco sacado com presteza de esgrimista e afundado a tempo em seu peito o impediu de se aproximar. Aqueles olhos mortiços fixaram-se nos dele, desapontados: ouviu-se que ela desprendera os sapatos, deixando-os cair. A aranha solitária levantou as duas pernas sincronizadamente, com cada pé apontando para cada lado, parou, e começou a junta-los no ar, passou com os dedões raspando no nariz do cafetão, recolhendo as pernas para si e, imediatamente, escancarando-as, formando a imagem de uma borboleta com elas. Sua anágua pendeu sobre o marmóreo ventre, revelando meias brancas presas ao meio das coxas por ligas vermelhas, exageradamente enfeitadas. E do centro daquela imagem complexa e simétrica, emanava o calor e o cheiro de seu sexo. Alina crava a rabeca, sua irmã siamesa, no pescoço, mais uma vez a sugar vida por sua jugular pulsante e começa tocar Vivaldi.  

Como um animal, Boris, com sua boca cozida de álcool, abocanhou quase que inteiro aquele seio. A bem da verdade, queria mesmo era ter uma bocarra monstruosa para engolir aquele corpo e aquela alma de uma só vez, queria sua carne para engordar os demônios que viviam em seu âmago pútrido, queria sentir seus olhos estourarem em esguichos azulados e viscosos em seus dentes, queria os impulsos elétricos de sua alma atordoando-lhe os ossos. Sem hesitações, resolutamente iniciou sua dança canhestra e primeva, fazendo o espírito dela saltar por sobre sua cabeça e depois voltar à sua órbita. – “Tudo aquilo que se ama é tudo aquilo que se quer destruir, não é, canalha? É o que você sempre diz. Diga-me: foi assim que você matou Ekaterina?" - Disse o hálito quente da musicista ao que ele, em resposta, a esmurrou sem nenhuma piedade, o que fez com que sua cabeça recuasse bruscamente, rachando o espelho de ponta a ponta, formando estranhas ranhuras no centro do impacto, rendendo a ela uma fenda entre os cabelos, mas que, no entanto, não a fez parar de tocar mais rapidamente, tampouco de pedir para que ele fosse mais e mais agressivo. Boris esbravejava em palavras inaudíveis a ausência de Alina quando forçou a mão sobre sua testa e pressionou-a para trás, esfregando seu capuz sanguinolento de cabelos, que via pendendo da cabeça dela pelo reflexo multifacetado, contra o espelho. "O que você quer mais, desgraçada?" - Perguntava, ofegante, ao que ela respondia, compondo um trio com o violino, o assoviar do vento bravio nos umbrais e com um lamuriar de teremim que, por fim, desabrochou num gargalhar, parecendo estar completamente em transe com sua música, em um êxtase de violência e decadência. “O que quero mais? Dê-me um solstício de verão. Quero um sol. Um sol só para mim. Um sol de artista: um canhão de luz que me persiga enquanto bronzeia e aquece meu ego. Deixe-me queimar minhas retinas ao contemplar, extasiada, aquele ser radioativo e disforme que dança no centro do foco da luz até que então meu corpo seja consumido ao som das risadas fáceis e no aroma dos perfumes caros e dos caules das flores cortadas, jogadas a meus pés. Chega do frio e da soturnidade do teu circo de pulgas. Velho: até mesmo Moscou precisa de um bocado de sol vez ou outra, caso contrário, ficaria opaca a glória nas cúpulas da catedral da Anunciação.” – Boris, não crendo no que ouvira, enfureceu-se e pôs-se a socá-la uma, duas, três vezes, batendo sua cabeça contra o espelho, fazendo com que cacos do topo caíssem sobre seus ombros, rasgando-os. E Vivaldi, o padre vermelho, com uma batina ortodoxa, corria pelo teto pisando em seus florões de gesso inflamados, empunhando a foice e o martelo.

Silenciou-se a alma. Silenciou-se o violino. E tal silêncio era como aquele de quando acaba a “Abertura 1812” e os sinos ainda se podem ouvir ao longe. A cabeça de Boris pendeu sobre o peito da violinista e, depois de alguns segundos, as mãos dela ergueram-na, possibilitando a ele ver um estranho brilho nos olhos de Alina que, em seguida, o empurrou levemente para trás, fixando-o onde ela o deixara, exausto. Delicadamente, com as pontas dos dedos, a musicista levantou seu queixo e sua pequena vagina, melíflua, sorriu-lhe - ele sorriu - e então Berezovsky pôde ver ponta do arco do violino vindo numa estranha velocidade que lhe daria tempo de ir e voltar de sua velha Geórgia a pé, mas não tempo suficiente para se desviar daquela ponta lascada, que vinha em direção a seu olho, precisamente ao centro de sua pupila, feito uma bala de revólver que rompia o ar e vencia a velocidade do som: Alina cravara a peça do instrumento em seu olho, que placidamente atravessou seu cérebro e cutucou a outra extremidade do crânio. E, quando ainda restava-lhe uma fagulha de consciência, com uma torção de punho, ela virou o objeto nele, fazendo soar o som repugnante do deslocamento de seus miolos.

“Violinista, puta. E assassina.” – Disse Alina Shostakovich recostando-se na teia formada pelas rachaduras no espelho, enquanto a orquestra, ao longe, terminava o concerto com uma velha valsa russa.       

(lia-se no cartão: “Mate Berezovsky. Seu début para o mundo, no Albert Hall. Tchaikovsky, se qui...”)


____________________

Para Eduardo Paixão, por me encorajar e por me ensinar a arte do insulto e para Carolina Caetano, porque, sim, haviam outras casas, algumas, inclusive, em incêndio.

---ooo----
Atibaia,
Primavera de 2011
----------

Dica para ouvir após a leitura:

14 comentários:

Lara Amaral disse...

Tentei entrar aqui esses dias quando vi uma atualização sua no google reader, mas estava fechado para leitores convidados. Tentei achar seu e-mail para te pedir autorização, e vi que não tenho, rs. Então, que bom que me enviou o convite, sempre leio tudo seu desde que comecei a te acompanhar há tempos.
Obrigada por mais esta leitura instigante e fascinante que fiz aqui.

Beijo.

Reuben disse...

Otto m, acabo de voltar a por os pés no chão. Esse teu texto me fez fazer uma viagem astral, você se sublimou, sem dúvida nenhuma. Este texto é a quintessencia da tua própria alma. Todo escritor maldito é como se fosse um buraco, quanto mais se lhe tira, maior fica. Tenho certeza que neste texto você colocou uma boa parte de você mesmo. Não consigo "criticar", faltam-me palavras.

Anônimo disse...

Texto do c*ral*o muito bom mesmo! Parabéns, o design ficou muito interessante também... lembra um texto seu que li antigamente, das estátuas... Cara, muito louco esse seu texto. Você escreve muito bem, escreve com menos frequência do que eu, mas o que produz de tempos em tempos é de altíssima qualidade!
É muito bom ler textos como os seus, me sinto privilegiado...
"Luna"

Ramiro R. Batista disse...

Conto bem no estilo "Cultura do tudo", como Ronaldo Bressame, em "Céu de Lúcifer". Adorei a "vagina, melíflua" (quero muitas!). Continua escrevendo como um mestre, não o conhecesse, teria certeza de que o escritor é músico russo. Violência, prosituição, mescladas com erudição musical, em clima de máfia-russa, dão uma atmosfera de "Eisenstein com Tarantino". Maravilha, Mr. Otto. Ressalva: sugiro "au début", ao invés de "debút" (je ne sais pas francais). Abraço.

Hannah Herman disse...

Holy shit! Nunca pensei que se pudesse fazer tanta coisa com um violino! Senti um pouco de Tarantino ai, como já dito anteriormente, mas é mais: atacar alguém com um arco de violino é um ato que, por si só, tem uma carga enorme de poesia (o que ele geralmente não tem). Não é matar porque é necessário. Tudo aqui é simbólico. Impressionante como aquelas pinturas que guardam segredos, mensagens ocultas, detalhes, ângulos.

A imersão no universo russo, então, é algo mediúnico. Falar meia dúzia de spassibos, tchaikovskys e stolichnayas e fácil. Difícil é ver um brasileiro (paulistano, da Mooca) plantar um monólogo na boca de um russo fazendo com que ele soe apenas russo.

É uma pena que você não esteja impresso, publicado.

Eduardo Paixão disse...

Evoluir tema ver com encarar o que há de mais grotesco e pouco lisonjeiro dentro de nós. Quando conseguimos isso, ainda mais com puro talento e principalmente com honestidade, o resultado é uma escrita direta e crua, como a que você acabou de fazer.Admiro muitos aspectos nesse texto, seja na forma, seja no conteúdo, mas o principal mérito, é a visão de um ser humano diante da monstruosidade, da decadência e principalmente, diante da melancolia que perpassa tudo. Seja um bordel russo, seja um palácio sabe lá Deus onde....Esse texto marca para mim, a passagem para um outro estágio. Menos hermético, mais incisivo. Que as pessoas não se choquem com toda a violência e a crueza nas descrições das pessoas e das ações. Tudo isso está latente dentro de todo ser humano. E condenar, ou negar isso, é fingir que não se pertence a essa raça.Continue em frente, meu amigo. Esse é a única opção.Sinto-me realmente honrado de ser amigo de um talento tão grande e com um futuro tão grandioso. Agradeço a lembrança.Grande abraço.

Ana Valéria disse...

Não sei como consegues cravar na escritura esse tanto de densidade emotiva e bem no cerne de um submundo com almas tão torturadas. Imagens fortíssimas. Criatividade absoluta. Lirismo louco onde, até mesmo a suprema crueldade, o crime, se traduzem como um gozo insólito, a libertação, por fim, de um amor que chegou como um soco no estômago. O que mais dizer ? Saí da minha letargia poética, acordei sensível e parei aqui. That's my boy ! Parabéns, Tavinho. beijo

Antonio Maria disse...

Um show de perversão da espécie humana - tendo como pano de fundo a loucura do sexo e a nossa própria! A leitura dos teus textos, Otto, é aprazível somente para quem procura descobrir o Belo dentro do escuro poço da mente humana, mas não o Belo da aparência, mas o Belo do insondável. Abraços.

Paulo Izael disse...

Este texto fotografa o exato momento onde o ser humano desacata a crueldade da existência num primoroso ato silencioso onde a angústia engole a massa e evapora a alma. Excelente, talentoso Otto MMMMM !

CAROLINA SURIANI CAETANO disse...

Preciso dum tempo com ele, rapá.
Onde esteve?

Andréia Carvalho disse...

Otto, comecei a ler os contos daqui e me vi assistindo um filme. no close um grandioso hotel, destes para fazer pintura e música na película de uma sala escura. um hotel em uma tela gigante. cada conto é uma cena: frame a frame de janelas. dentro delas os personagens e suas vidas partituras. tem sempre o sol radioativo queimando a retina, uma moça e um rosto na vidraça, como se eles habitassem todos os cômodos do hotel e aparecessem, obsessivamente entre as tomadas de cenas. E eu quis ser a moça ruiva a virar lentamente as páginas de um livro antigo, na cafeteria do outro lado da rua de paralelepípedos.
Tu escreve muito bem, é envolvente ler. Sim, são poemas sinfônicos. E eu leio como se estivesse vendo um filme contemporâneo, mas com a música me arrastando constantemente para um cenário renascentista.
Acho que me confundi tentando explicar! rs
Mas só queria dizer, sinceramente, que é muito bom ler teus contos imagéticos.
Obrigada pela dica de Rothko. Você nem imagina como foi produtivo apontar esta analogia para mim.
Agora, eu vou ver se ativo a ponte de analogias cerebrais para achar o diretos de cinema que poderia linkar com tua escrita. Breve.
Grande abraço.

Lady disse...

Este texto não é pra qualquer leitor. Esse texto é prum leitor inteligente, que gosta de textos ricos em detalhes. Seu texto mostra ações que são movidas pelo desejo inconsciente que vem à tona no ser humano e que é algo incontrolável. Além disso ressalta muitos aspectos da sociedade, aspectos patológicos, certeiros, verdadeiros, incontestáveis. E por baixo da linda máscara do ser 'racional' habita a podridão. Perfeito. Muiiiito bom. Abraços

CAROLINA SURIANI CAETANO disse...

Você é um homem honesto e largo e tem as mãos improváveis, como eu confiar em tudo que desconheço, como você voltar-se para si,como falta o artigo em "Berezovsky pôde ver ponta do arco", como falta tanta coisa entre mim e o meu pedido. A precisa distância entre o autor e a espessura dum rio de pêlos que ocasionalmente em mim se eriçam.

Tuas mãos enormes, uns milagres para pássaros, e mais o sempre medo que há de os esmagar, és honesto, és largo, as mãos ainda maiores.

Anônimo disse...

Maravilhoso ler o texto ao som que nem sei palavra para CONTEMPLAR!!! Um abraço Otto . de sua leitora Jane Coffee

Arquivo